Vitória da democracia

Uma forma de medir o grau de amadurecimento de uma sociedade dita democrática é através de aderência dos atos e pensamentos dos governantes e das instituições ao caráter e às aspirações de um povo.

De parabéns o povo brasileiro que não só chegou lá como revelou a si mesmo e ao mundo o verdadeiro sentido e a real dimensão dos seus sonhos. Consagra sua vocação para a pequenez, para a coleta da migalha, para o satisfazer-se com o que tem, rico ou pobre, em prejuízo do que poderia ter ou ser.

Desvenda seu caráter ao valorizar o cinismo e a mentira. Deixa ver sua covardia ao entregar-se, gostosamente, ao riso com o fortão do quarteirão, violento e ignaro mas a cujo poder se curva e cujas botas apressa-se a lamber.

Incapaz de um ato de coragem, toma como sua a fanfarronice do velhaco e depois beija-lhe a mão agradecido.

Celebra o brasileiro, esse forte, a ninharia ou o milhão do dia a dia, tomando com uma mão a prata, pouca ou muita, em troca do futuro de seus filhos que vende gostosamente.

Não mais ignorante da escolha que fez, o povo brasileiro celebra de olhos bem abertos a comunhão de idéias e ideais com seus líderes e algozes. Unidos finalmente pelo que sempre foi o desejo do povo destas terras, e só agora revelado: a exaltação da tirania, o escárnio sobre a decência, a valorização da preguiça e da indolência, o perdão aos ladrões e o entronizar dos criminosos, o desprezo pela opinião alheia e pela liberdade, a valorização da truculência, a devoção pela ignorância.

Quanto a mim, doravante apátrida, seja esta minha última manifestação política. Aliviado e feliz passo a gozar do que este país, embora não mais o meu, pode me dar de melhor: a liberdade. Liberdade para atirar o lixo pela janela do meu carro, para ocupar uma tão cobiçada vaga de deficiente, para jogar meu computador velho – cheio de chumbo e mercúrio – no lixo comum, para furar filas falsificando a idade. Para ser, enfim, o espertalhão que o brasileiro tanto admira, reverencia e almeja ser.

Quer o brasileiro que a mão que balança o berço de seu filho seja a de delúbio.

Que faça bom proveito, e que o futuro lhe seja leve.