Queridos amigos:

Como o Walmir disse no comentário da postagem anterior, o Assertiva completou dois anos ontem, dia 26 (sim, Anne: você está certa).

E eu pretendia, sim, lançar o novo blog nessa data, não fosse, digamos, uma certa montadora japonesa de automóveis. Mas ele vem aí já, já.

Foram dois anos de uma transformação profunda, de experiências ricas e fascinantes, e dos quais emerjo nem melhor nem mais forte: apenas mais Ernesto.

O papel do blog foi, tem sido e espero continuar sendo importante.

Descobri que poderia ter um blog quando, procurando a esmo por amigos no Orkut, encontrei o Flavio que, em seu perfil, remetia o nauta ao Arguta Café. Fosse outro e talvez eu não tivesse a curiosidade de espiar. Mas, já conhecedor da viva e irônica expressão do Flávio dos tempos em que furtávamos aos Montenegro uma pequena fração de nossos salários discutindo escritos, não hesitei: fui lá e fui fisgado.

O Assertiva, de início uma página solitária mas não menos importante para mim, rapidamente ganhou vida. Amigos velhos e novos, de Jorge Lemos a Lucas Nino, foram chegando. E também o que era antes apenas uma parceria entre Assertiva e Arguta expandiu-se, aglutinou novos blogs, e fomos também padrinhos de outros tantos. Hoje o Prozac Café é a praça de uma aldeia onde ninguém se esconde, e podemos degustar a expressão de todos e de cada um. Uma delícia.

O carinho que tenho por Assertiva não se assesta no blog. É o carinho que tenho por vocês todos. É para vocês que escrevo, que esbravejo, com quem compartilho, que poeto. Aliás, foi só depois do Assertiva que eu descobri ser capaz de traduzir a minha poesia. Já disse e repito: depois da minha morte, se alguém aparecer com um poema meu anterior a fevereiro de 2006, chamem a polícia. É fraude.

Há muito que agradecer, e a muita gente. Quase dá para lembrar de todos, mas por quem começar?

Flávio, o padrinho e parceiro (assim como a Ju)?
Danilo, pelo primeiro comentário?
Estrelinha, a primeira visitante?
Lú, anja e musa, sempre?
Walmir, o irmão?
Jorge, o mestre?
Anne, a mais assídua?
Udi, que me dá idéias?
Luisa e Excentric, por instigantes?
Ti, por suave?
Vittorio, por comungar comigo na política?
Maria e Zuleica, poetíssimas?
Ângela, comentários à flor da pele?
Ana e Tapadinhas, tão longínquos e tão pertinho?
Raffaela, a recém chegada?
Suzana, a-que-faz-corar?
Bruno e Adriano, que lêem tudinho na moita?
Amanda e Raquel, pelo gostoso retorno?
Carol, pelo que significa para mim?
Érica, a mascote?
Claudia e Daniel, porque eu amo esses dois?
Nice, leitora fiel e invisível?
Ortega, por relembrar-me como se olha?
Gui, pela alegria e bom humor?
Tina, companheirona madrugadas afora?

Um beijo e um abraço muito carinhosos a todos os que fazem a razão de ser do Assertiva. Conhecidos, desconhecidos, anônimos e fictícios.