Poeminha desnatado

Vaca não pensa
Dispensa
O leite pela teta
A bosta pelo campo
E hora vaga pasta
A exalar metano

Vaca não conjumina
Rumina
O queixo a balançar
O rabo a espantar
o ócio
De uma tarde de sol