O maior poema do mundo

Eu acordei, eu juro
com um poema na cabeça
o maior, o mais belo
de toda a língua portuguesa
Tão saboroso
quanto uma pizza calabresa
Emocionante, que lindo era,
de fazer chorar estátua
do Parque Ibirapuera
Perfeito, sem jaça nem senões
estrofes de fazer cegar
o outro olho de Camões
Arrebatador, o meu poema
um monumento ao versejar
de uma paixão extrema
Uma ode, um libelo libertário
a que um só adjetivo se aplica:
Extraordinário!

Então me lembrei de ti
E foi tão grande a saudade,
Tão grande tristeza sentia
Que a dor. sem piedade
roubou a minha poesia
Apagou o poema do peito
E ele ficou assim,
meio morto
meio sem jeito