Indolor

Ao não se por o sol
Ao não minguar a lua
Ao não doer o parto
Ao não marcar o ferro
Ao não vagar o quarto
Ao não haver remorso
Ao não roer o peito
Ao não gelar a veia
Ao não faltar alento
Ao não morder a fera
Ao não ferir o punho
Ao não trair o amor
Ao não matar a flecha
Ao não bater a mão
Ao não doer a dor
A dor não houve
E a vida também não.