Entrevárida alquímica

Com dez gárrulas e três cocóides faz uma touquinha. Depois trepana um ovo com muito cuidado para que não se desvencilhe a gema de seu calcutar e o veste.

Reserva.

Ao marulhar das pálpebras da sizígia mistura a farinha de alveijão com excremento químico de nonas pantufas. Bata bem, mas com cuidado e em uma só direção para que não egrumesça a fálida mistura. Exponha ao sereno de uma noite de procela tanta mas de baixo vento.

Coza tudo em crepitar de enxofre da Barbácia avivado ao folegar de tripas de dragão eunuco.

Ao ponto de berimbelas retire e faça gelar em uma Frigidaire.

Aponha o ovo de touquinha e coma.

Espera sete madrugadas e, se ao cabo não chegar teu falo à junção do costureiro com a patela é porque erraste a fórmula.

Lê tudo outra vez com muito cuidado e faz de novo.