Drops de arder a língua

Ardidos porque fiz a besteira de comprar uma caixinha de Altoids. The Original Celebrated “Curiously Strong” Peppermint. É mais pepper que mint, puxa vida!


Sábado, enquanto esperava a Bia sair do cursinho de mangá, encostei lá no Genial pra comer alguma coisa. Do manobrista ao garçom, todo mundo estranhando o Ernesto sozinho. Depois, olhando o relógio de cinco em cinco pra não perder a hora, ainda tive que aguentar o maitre: “O pessoal deu o cano hoje, né?”. Nem eu, nem amigos, nem asas nem nada… Chato.


Conforme já “noticiado” lá no Arguta, o rei da Espanha mandou o Chavez calar a boca. Já já o Lula (O Lambe-botas), manda o Itamarati emitir uma nota de solidariedade ao Grande Irmão do Norte.


Estou me preparando para uma semana dificílima, apesar (e talvez por causa) dos feriados que vem aí. Então liguei o f…-se, comprei um avião novo pro meu Flight Simulator (uma extravagância sem nome, de US$14), e passei o domingo “voando” com ele por aí. O Piper Arrow é uma delícia (na foto, o bichinho po(u)sando no Santos Dumont, vindo de Angra).


Assisti Quebra de Confiança (Breach) em DVD. Filmaaaaaaaaço. Chris Cooper — um ator que eu pouco conheço — dá uma aula de interpretação. Recomendo.
Vi também Mistério em River King (River King), como Edward Burns. Rachelle Lefevre é mesmo a canadense mais interessante (para ser educado) já nascida. Um atentado ao pudor e aos bons costumes.


E, enquanto meus irmãos brasileiros vão curtir o próximo feriadão — enforcando sexta e segunda, aposto — periga de eu passa-los trabalhando duro. Aqui ou em Frankfurt, o que dá quase na mesma.