Brancos e livres

Faltos de poema
e dia sim, dia não
faltos de poesia
Brancos os versos
do poeta preguiçoso
que pensa ser Drummond

Livres das tônicas
e com frequencia
livres da beleza
Os versos livres
de um poeta analfabeto
que se imagina Bandeira

Mas eu não deixo e quero que não seja
nem branco e nem livre o meu poema
E se há discórdia eu digo a quem verseja
Que é negra a tinta e jamais livre o tema

E tanto prezo o jeito como digo
que ao meu falar importa como soa
Não posso ver sofrer desse castigo
meu metro e minha rima de Pessoa.