Bloga comigo

Desde o lançamento de Assertiva, várias pessoas — amigas ou não — começaram a me perguntar como era esse negócio de blog, se era difícil montar um, como funcionava.
Alguns até mesmo chegaram a montar de fato seus blogs: o Reinaldo, o Daniel, a Cláudia. Até a Carol reativou o seu, e deu-lhe nova fase.

Depois de três meses, eu já sei quais as principais dúvidas, e também já acumulei uma pequena experiência, cujo compartilhamento pode ser útil a quem deseje ter seu próprio blog.

O que é um blog?

A palavra blog é a contração de web log, que significa um diário na web. E os blogs começaram assim mesmo: como uma forma das pessoas — principalmente jovens — partilharem com o mundo seus diários pessoais. Esses são os que chamo de blogs puros, originais. Dois exemplos de blogs puros são o da Carol e o da Excentric (excentricherself.blospot.com). A imensa maioria dos blogs é desse tipo. Neles, as pessoas contam o seu dia-a-dia, e com maior ou menor grau de intimidade expõem suas alegrias, angústias, problemas e soluções.

Com o passar do tempo, o conceito estendeu-se, e apareceram blogs de vários profissionais, como jornalistas, médicos, etc. Nesses blogs essas pessoas falam de suas profissões, dão notícias, discutem temas específicos. Surgiu até mesmo um termo novo, blogosfera, para designar esse universo de páginas pessoais (de todos os tipos), e hoje quase se caracteriza como um movimento. Um movimento para garantir a expressão de qualquer indivíduo de modo público, a liberdade de manifestar-se livremente sobre qualquer coisa.

Para se ter uma idéia da importância do movimento blogger, muitos jornalistas famosos (principalmente nos Estados Unidos) usam seus blogs para publicar notícias e informações que, de outro modo, não seriam aceitas pelos órgãos de informação para os quais trabalham. Muitos blogs desse tipo são referências obrigatórias para políticos e para qualquer pessoa que queira estar bem informada. O mesmo fenômeno acontece nos campos da literatura, das finanças, das artes e muitos outros.

Qual a diferença entre blog e uma página pessoal?

Uma página pessoal é um site desenhado especialmente por ou para uma pessoa, famosa ou não. O site de um artista, por exemplo, é uma pagina pessoal onde ele fala de si mesmo, exibe sua obra, dá informações sobre shows, apresentações, lançamentos, etc. Por ser desenhado especificamente para aquela pessoa, exige conhecimento técnico de quem desenvolveu e mantém o site. É claro que você tiver a habilidade necessária, e quiser criar seu próprio endereço na web, pode criar um blog desse jeito.

Mas como quase ninguém tem tempo nem o conhecimento técnico necessário (nem quer gastar dinheiro com quem tenha), surgiram os sites específicos para a hospedagem de blogs. Esses sites oferecem um programa que faz tudo para o novo blogueiro, desde a montagem da página até o gerenciamento das coisas que são colocadas lá (chamadas de postagens), a armazenagem e manutenção dos arquivos, etc.

Como funciona um blog?

Quando você se inscreve em um desses sites (como o blogger.com, que hospeda Assertiva), um programa bastante poderoso abre uma conta para você, e dá acesso a uma porção de ferramentas que permitem a publicação do blog de forma fácil, rápida e segura. O grau de funcionalidade dessas ferramentas depende do site escolhido, mas há um conjunto de facilidades que todos eles oferecem:

— Uma interface de configuração, onde você pode personalizar até certo ponto o seu blog. Coisas como a cor do fundo, um endereço de e-mail para onde devem ser enviados os comentários feitos por seus leitores, o formato da data e hora nas postagens, etc. (sim, cada vez que você faz um comentário em Assertiva, eu recebo um e-mail me avisando do evento, com uma cópia do seu texto).

— Um editor de texto, onde você pode digitar as postagens e colocar suas imagens. Você pode também escrever no seu editor favorito e depois recortar e colar.

— Um gerenciador de postagens que permite que você as organize, edite-as a qualquer tempo, retire-as temporariamente do blog ou mesmo as apague definitivamente.

— Um gerenciador de comentários, através do qual você pode permitir ou não que leitores comentem seus textos. Esse módulo permite até que você apague comentários indesejáveis — só não deixa, claro você editar o texto deles, depois de publicados. Outra característica interessante é que, a qualquer tempo, você pode ligar a “censura”. Ela pode ser manual (nenhum comentário é publicado sem que antes você o aprove), ou automática, baseada em uma lista de palavras fornecidas por você que dispara um alarme sempre que forem encontradas no texto. Assim, palavrões, temas polêmicos ou em desacordo com seu blog podem ser filtrados.

Esse é o básico. Como disse, outras funcionalidades (como a postagem de músicas, por exemplo), podem ser oferecidas pelo site que você escolher para o seu blog.

Adiante, vamos ver como usar esse “programa de gerenciar blogs” mais profundamente para criar efeitos interessantes e permitir uma personalização muito maior do que a permitida pela interface de configuração.

Por que ter um blog?

Criar e manter um blog é muito gratificante, podem crer. Mas não é nada fácil. Dá trabalho. Assim, se você pensa em ter um, responda primeiro a algumas perguntas básicas:

— Que tipo de blog quero ter? Um do tipo diário para partilhá-lo com meus amigos? Uma vitrine para minhas criações literárias? Uma fonte de informação e referência profissional? Defina uma linha para o seu blog. Imagine as coisas que poderia colocar nele.

— Gosto de escrever? Se você não é chegado à criação de textos de qualquer espécie, esqueça: você nunca manterá um blog.

— Tenho tempo para manter meu blog? Um blog toma tempo. Se você está numa fase de sua vida na qual não consegue nem se coçar, esqueça ou adie a publicação do seu blog. Isso não significa que não possa, quando possível, começar a escrever uma coisa ou outra que depois serão incluídas no seu blog.

Como começar?

Escolha um site para hospedar o seu blog. Há muito bons hospedeiros. Eu recomendo o blogger.com porquê ele é amigável para o principiante, e também porquê é totalmente em português. Possui um sistema de ajuda (também em português) que é excepcionalmente bem escrito (ou traduzido).

Crie seu blog simplesmente seguindo as instruções do site. Não tente sofisticar nada no começo — lembre-se de que você sempre poderá reconfigurar seu blog mais tarde. Tenha à mão uma foto sua para colocar no perfil ou, se não quiser mostrar sua cara, escolha uma imagem que tenha a ver com você. Prepare também antecipadamente um texto curto (uma saudação ou postagem inaugural é uma boa idéia para isso), para que você coloque seu blog no ar já com algum conteúdo. Lembre-se de que nem todas as postagens precisam ser de sua autoria. Você pode postar textos ou poesias de que gosta, para compartilhá-las com seus leitores.

Já criei meu blog, e agora?

Agora escreva, escreva, escreva.
E aí vão algumas dicas/conselhos:

A menos que seu blog tenha um propósito mais sério (jornalismo, divulgação científica, etc…), tenha em mente que manter um blog é antes de tudo uma diversão, um hobby. Não se comprometa, por exemplo, com atualizações diárias. Mas também não se esqueça que o grande barato do blog é perceber que as pessoas estão lendo o que você escreve, escutando o que você tem a dizer. Com o tempo, elas voltam com regularidade na esperança de ver coisas novas. Não as decepcione, ou elas não voltarão mais. Equilibrar sua vontade ou inspiração para escrever com a fidelização dos leitores é a coisa mais importante para que seu blog funcione. Meu compromisso com Assertiva, por exemplo, é de duas postagens por semana. Se eu postar mais, fico feliz com isso. Se não conseguir, não me angustio.

Escreva com desenvoltura. Fale de coisas interessantes para as outras pessoas, ou simplesmente desabafe. Lembre-se que, ao contrário de uma publicação em papel, você sempre poderá refinar, editar ou mesmo tirar do ar um texto. Se você, num momento especial seu, escrever coisas de noite, publicá-las e depois se arrepender, remova a postagem do blog na manhã seguinte e pronto. Já aconteceu comigo, várias vezes.

Poesia: “de médico, poeta e louco, todos nós temos um pouco”. Um blog é um lugar legal para exercitar sua veia poética. Outro dia, conversando com a Rosana (Cordellini), que me conheceu há um quarto de século, ela disse que não sabia que eu era capaz de fazer poesia. Acontece que eu também não sabia (e ainda não sei direito se sou capaz de fazer boa poesia). Mas essa é a vantagem do blog: ninguém espera que você seja perfeito.

Imagens: Ilustrar suas postagens é tão divertido e importante quanto escrevê-la. A menos que a postagem exija uma foto diretamente relacionada com o texto — como a foto de uma festa ou de uma pessoa amiga — você pode encontrar imagens aos milhões na web. Entre no Google como se fosse fazer uma busca, e clique em imagens. Se você estiver buscando a imagem de um anão por exemplo, simplesmente escreva a palavra e terá um monte de imagens diferentes. Se você souber a palavra em inglês, o resultado será muito maior, mas isso não é tão importante. Se você pedir, eu detalho o processo que uso, mas saiba que a imagem deverá ser reduzida ao tamanho desejado através de um programa apropriado. Imagens menores e mais “leves” ocupam menos espaço no arquivo e carregam mais rapidamente quando alguém visitar seu blog. Ah! Não se esqueça de dar o devido crédito ao autor da foto ou ilustração, em sua postagem.

Um blog avançado

O pessoal da blogger.com é muito legal. Se você não quiser ficar apenas em um dos bons modelitos padronizados que eles oferecem, permitem que você escreva integralmente o código do seu blog, redesenhando-o. Além disso, abrem para quem quiser saber quais são os “comandos” que fazem o seu blog funcionar, de modo que possa inventar qualquer coisa que sua imaginação criar e sua capacitação técnica permitir. Assertiva conta com muitos recursos desenhados por mim, ou copiados de sugestões de outros entusiastas por blogs. As páginas de ajuda do blogger.com estão cheias de dicas técnicas, qualquer que seja o seu nível de entendimento dessas questões mais técnicas. Vale uma visita.

Um contador também é útil para que você rastreie as visitas. Eu uso o SiteMeter (www.sitemeter.com), mas existem outros. Os relatórios são bem completos, inclusive com o número IP do visitante, o que me permite saber quando você — sim, você mesmo — visitou meu blog, com hora minutos, segundos, tempo da visita, por que página entrou e saiu.

Se você gosta de webdesign e entende alguma coisa disso, mexer na estrutura do seu blog faz parte da diversão. Se você não entende, peça a alguém que saiba como fazer para modificar uma coisa ou outra no seu blog (não peça para blogueiros rabugentos e cheios de filhos).

Acho que respondi à maior parte das perguntas que me fazem a respeito de blogs, e de Assertiva em particular.

Se você quiser mais detalhes — técnicos ou não — sobre o assunto, podem pedir aqui mesmo nos comentários desta postagem.

Finalmente, saiba que só vai entender realmente o que é publicar um blog se você tiver o seu. É profundamente gratificante, se você se comprometer de fato com ele. Um blog reflete nossa personalidade, qualidades, defeitos e idiossincrasias. Em suma: um blog expõe você. Se a idéia não agrada, é melhor comprar um caderninho com cadeado.