Tontura

Tontura

(Soneto IV) Que voz é essa, triste, que sussurra aos meus ouvidos dor e tal loucura, rouba a vontade, minha vida empurra para outro norte,…

Ler post →
Sed mi diros num

Sed mi diros num

Domingo de sol e, contudo, frio, muito frio. De repente topo com um soneto de Bilac numa língua estranha, que partilho com vocês. Para os amigos…

Ler post →
Um blog novinho em folha

Um blog novinho em folha

Amigos: Assertiva está de roupa nova, como anunciado. Mas além do visual, o blog conta agora com novas funcionalidades, algumas delas não muito comuns aqui…

Ler post →
Conselho aos nossos filhos

Conselho aos nossos filhos

(Soneto III) Morrendo a cada passo que tu dás, gordos anões que em teu sovaco vivem deixam um rastro que ao nariz revive o sulfuroso…

Ler post →
Balada para um transistor só

Balada para um transistor só

Este meu segundo soneto, de que gosto muito, é uma espécie de inside joke para engenheiros eletrônicos. Curiosidade: Ele contém duas palavras que, quando pronunciadas,…

Ler post →
Cheiro de mato

Cheiro de mato

Adivinhado pela porta aberta o cheiro da tua roupa me apunhala, perfume do teu corpo que ainda fala com meus sentidos uma fala incerta. Tonta,…

Ler post →